Se você pudesse mudar qualquer coisa, o que seria?

Olá, moços, moças, jovens revolucionários deste meu Brasil.

Quem nunca acordou em um lindo dia de sol e teve uma ideia que revolucionária a ciência, a engenharia, a vida, o universo e tudo o mais? É, eu nunca. Mas o fato é que cá estava eu numa tarde pacata de quarta feira de cinzas e por acaso descubro um dos concursos mais geniais do mundo.

O Google criou o Google Science Fair, que é como uma feira de ciências, porém diferente de todas que você já viu. O seu projeto é enviado via internet, através de relatórios, vídeos ou seja lá qual for o meio que escolher. E jovens do mundo inteiro participam. Literalmente, do mundo inteiro.

Para participar vale qualquer ideia, desde que seja inovadora e tenha algum tipo de importância na sociedade. Algo que ninguém nunca tinha pensando antes. O concurso basicamente desafia os jovens a saírem da caixinha. Você pode montar grupos de até 3 pessoas entre 13 e 18 anos.

O concurso é dividido em quatro ramos, que serão apresentador a seguir:

Prêmio Ciência em Ação da Scientific American 

É o ramo que premia os projetos que abordam desafios ambientais, de saúde e de recursos. Vale lembrar que acima de tudo os projetos desta área devem ser fáceis e relativamente baratos, para que se tornem acessíveis.

Prêmio Ciência da computação da Google Science Fair     

Como o nome já diz, este prêmio é relacionado aos projetos que têm um potencial social, mas que se baseiam principalmente na ciência da computação em geral.

Voter’s Choice Award 

Este é escolhido por todos os participantes cadastrados dentre os 15 finalistas mundiais.  O prêmio será concedido ao projeto com o maior potencial de mudar o mundo.

Prêmio Local

Um prêmio local será concedido aos projetos que receberam uma marca de excelência durante a avaliação preliminar.

Ganhar o prêmio local não tem influência alguma no progresso do participante no resto da competição. Os vencedores do prêmio local serão escolhidos por meio de um painel de avaliação separado. Os vencedores do prêmio local serão escolhidos entre as inscrições elegíveis dentre os países participantes ou estados dos EUA.

Você está qualificado a concorrer o prêmio local se estiver de acordo com os seguintes critérios:

  • Seu projeto precisa atingir uma pontuação mínima na avaliação preliminar.
  • Você deve morar em um local participante, conforme descrito nas regras de concorrência.
  • Seu projeto deve abordar um desafio local relevante.

 

As informações sobre todos os ramos foram retiradas do site.

 

   Pois então, meus caros revolucionários, é uma oportunidade muito boa pra você botar em prática aquela ideia meio despirocada que veio à tua cabeça em algum momento de devaneios insanos.

   Quanto aos prêmios, são todos muito bons e magníficos. Porém eu não direi por motivos de: você tem de gostar do projeto pelo que ele é, não por causa do que irá receber.

Abaixo deixarei todos os links importantes e tudo o mais (relaxa que tudo abre numa guia nova).

Site do Google Science Fair 2014: senta.la/1181i

Vídeo do Google Science Fair 2014: senta.la/1181j

Sem mais delongas, termino dizendo que o prazo é até 12 de Maio. VEM GENTE

 

 

Nem um minuto de luto

Olá pessoas,

To escrevendo um tantinho atrasada, eu sei. Há uma semana atrás, não só a África do Sul, mas o mundo perdeu um líder. Um homem que apesar de não ser mais presidente foi e sempre será um ícone de justiça, igualdade e aceitação social. Um homem que lutou não só pelos seus direitos, mas pelos de uma nação inteira. Direitos esses que já deveriam ser assegurados a partir do momento em que se nasce. Ainda mais quando o país natal é composto pela maioria negra.

Então você provavelmente irá pensar que não há coerência entre o título e o texto, uma vez que Mandela foi uma figura respeitável, que merecia luto por sua morte.

Não, meu caro. Definitivamente não. Mandela foi sim uma figura respeitável, digna de admiração universal. Terminou com um sistema que prometia durar toda a eternidade. E justamente por isso não podemos parar, nem por um minuto. A luta dele não foi em vão, nem nunca será. Sim, ele morreu. Mas seu nome nunca morrerá. Seus ideais nunca morrerão. Seus objetivos nunca morrerão. E seus seguidores nunca morrerão.

Ele foi um mentor, um professor, um guia. E nós, discípulos, devemos seguir com sua ideologia, para que a geração que irá crescer sem sua figura, cresça com suas ideias. Parece sim uma luta infinita. Sem luz no fim do túnel. Porém, meu caro, o mundo tem sim solução e jamais devemos perder a esperança nisso. Talvez nem sempre haja um holofote no fim do túnel, muitas vezes é um simples feixe de luz, difícil de se enxergar. Ou então, em alguns tristes casos, nem isso há. Pois então devemos fazer igual o Sr. Mandela e acender uma vela por nós mesmos, para iluminar o caminho daquele que estão atrás e ao nosso lado.

Muitas vezes o mundo parece mesmo um lugar frio, sombrio, ruim. Mas, imagine se todos pensassem assim sempre. Ou pior, se fossem conformados com isso. Há motivos para se ter esperanças, há motivos para se acreditar. Na correria do dia a dia podemos nos restringir ao nosso mundinho e acabamos pela mesmice do “mundo sem solução”. Porém, se olharmos um pouco adiante, além de nossos umbigos e zonas de conforto poderemos enxergar que existem pessoas querendo melhorar essa bola de magma e terra em que vivemos. Acho válido, mais ainda, acho necessário.

Um texto um tanto sonhador, com muitos devaneios e divagações, mas que não pude deixar de escrever.

Até mais. ^^

Nelson-Mandela-300x330

O Gigante Acordou. Ou não.

Já estava pensando em escrever sobre isso. A necessidade de tal texto para o DNA (Desafio Nacional Acadêmico) foi só um empurrão para eu o fazer.

O Gigante acordou. Nós saímos para as ruas. Estamos revolucionando o país. Por favor, não coloquem as carroças na frente dos burros. Sinceramente, acredito que seja ótimo a população brasileira, principalmente os jovens, tenha saído do FaceBook e do Twitter para lutar por algo maior. Mas, o que é esse algo maior? A manifestação perdeu seu foco. Cada um está protestando por uma coisa. Um pelo preço das passagens, um pela cura gay, um pela PEC 37.

E então alguém diz “Mas estamos lutando contra a corrupção.”. Ok, contra a corrupção. Mas o que você quer? Perdoe-me por te desiludir, entretanto, eu duvido que todos os políticos corruptos venham à sair do poder de um dia para o outro. Isso não vai acontecer. Antes de se iniciar uma manifestação é preciso ter em mente os objetivos desta. Caso contrário vira zona, sem qualquer importância.

“Mas há milhões de brasileiros nas ruas, os políticos vão se sentir pressionados, e irão mudar.”. Imagine você mantendo um esquema que lhe garante milhões de reais por mês. Você sabe que é errado. Sabe que é antiético. Mas você continua fazendo. Todo mundo sabe do esquema, entretanto ninguém se manifesta. Imagine então que 10.000 pessoas parem em frente à sua casa. Um grita “Isso é errado!”. Outro grita “O preço da batata está alto!”. Outro grita “Eu estou cansado de esbarrar em todos os cantos!”. Diga-me, você se sentiria pressionado a parar? Não. Você iria continuar, afinal, essas 10.000 pessoas não possuem unidade, já que cada um clama por algo.

A moda do momento é xingar a Dilma Rousseff. Ela é a origem de todos os problemas. Ok, agora diga-me um motivo que te levou a não gostar dela. Provavelmente porque todos estão dizendo isso. Diga-me por que você detesta a PEC 37, ainda mais, explique-me o que é a PEC 37. Conseguiria?

Todos reclamam da alienação proporcionada pela mídia, e sim, eu concordo que isso acontece. Mas o mesmo está acontecendo, só que do outro lado. Vaiaram a Sr. Rousseff na abertura da Copa das Confederações. Aquilo foi simplesmente a coisa mais ridícula do mundo. Os que o fizeram vestiram a camisa da Política Pão e Circo. Vivem reclamando do dinheiro gasto em eventos esportivos, falam que poderia ser melhor gasto. Poderia mesmo. Mas é extremamente contraditório você reclamar de algo e ir lá presencial tal coisa. Afinal, está deixando a “fraude” cada vez mais rentável para os que a fazem.

Gostaria de deixar claro que sou sim a favor da mobilização da população em prol de algo maior. Mas é importante especificar o “algo maior”. Caso contrário a população continuará alienada, porém, de outro modo.

Sou contra a legalização do casamento Gay

Oi Oi gente,

Penso que 99,99999% dos leitores estão com ressentimento contra mim, fazendo pré julgamentos e o diabo a quatro. Pois bem, não culpo vocês. Entretanto, esta é a minha opinião, eu sou contra a legalização do casamento gay. Sou mesmo. E vou explicar por que.

Eu tenho o direito de casar com um homem (é, teria se tivesse 18 anos ou mais). E qualquer homem tem o direito de casar com qualquer mulher, não? Todos nós temos o direito de formar famílias, ter 500.000 filhos. Todos nós temos esse direito assegurado, brancos, negros, asiáticos, pardos, altos, baixos, nerds, chatos e etc.

Ora, se eu (bem como qualquer pessoa) tenho o direito de casar com qualquer pessoa, por que então eu não tinha o direito de casar com uma mulher? Eu não sou contra o casamento gay. Sou contra a necessidade de uma legalização para que este se torne possível.

Hoje nós olhamos para o passado do nosso país, e até do mundo, e pensamos; “Como podíamos descriminar uma pessoa só porque ela era negra, como estes podem ter sido privados de seus direitos básicos?”. E é exatamente o que acontece hoje. Estamos privando pessoas de seus direitos.

Meu querido colega hétero, não sei se você sabe disso, em todo caso irei te informar; o fato de gays se casarem não te torna menos homem. O fato de um gay se casar não te proíbe de casar. E quando você reclama que acha um absurdo isso, não te acham “mais homem”, te acham um babaca.

“Mas Nathalia, gay não pode ter família” Ah, jura pra mim? Sério? Não sabia disso! Nem os gays devem saber, põe no jornal e fica rico com essa notícia bombástica. Meu querido, quantas mil crianças estão na fila para serem adotadas? O mundo tem 7 BILHÕES de pessoas, não precisa de mais gente.

Então essa é a minha opinião sobre a legalização do casamento gay. E vocês, o que pensam? Gostaram? Comentem!

BBB

Oi Oi gente,

Janeiro chega e a habitual “briga” nas redes sociais se inicia. Tem a galera reclamando do famoso Big Brother Brasil, a galera que reclama de quem reclama e a galera que assiste.

O argumento de quem reclama do programa geralmente é embasado na “imensa” cultura que essa pessoa possui. Eles sempre querem mostrar como são educados e cultos. Certo, tem uma parte que realmente são pessoas cultas e merecedoras de respeito. Uma minoria. E essa minoria fala uma coisa ou outra e para.  Não fica insistindo nisso.

Chato mesmo é aquela galera que fica reclamando TODO SANTO DIA. O dia não passa sem ele reclamar do bendito do programa. A pessoa nunca leu qualquer tipo de clássico. Não sabe de nada que acontece no mundo. Se você for uma destas pessoas, não sei se você sabe mas, o fato de não assistir o programa não o faz mais nem menos culto, educado e o diabo a quatro.

Quando foi que nós podemos falar se alguém tem cultura, educação e o escambau tendo como base só o que a pessoa assiste? Isso é um grande absurdo!

Ora, e se Max Weber quisesse assistir BBB o dia inteiro? Ele seria considerado uma pessoa burra, sem cultura só por causa disso?

Sinceramente, feliz mesmo é aquele que assiste e está pouco ligando para os outros. Se a pessoa cumpre seu papel como cidadã, estuda e o escambau qual o problema em ele querer assistir o bendito do programa?

“Ahh mas isso alimenta a indústria da televisão que vai retardar as pessoas e bla bla bla”

Mas fechar os olhos para a corrupção política pode, né?

Fechar os olhos para as guerras, fome e todos os outros problemas do mundo pode, né?

Tanta coisa de útil que você pode fazer com o tempo que usou para reclamar do programa. E para nada! O que esse programa muda em sua vida? Nada! É só você não assistir ele e pronto, o máximo que você vai saber é o que as pessoas comentam nas redes sociais.

Tanta coisa para você reclamar e vai reclamar logo disso? Por favor, né.

E vocês, o que pensam sobre o programa? Concordam com a minha opinião? Descordam? Comentem!

Ateísmo

Oi Oi gente

Eu sou ateia, e esses dias eu escrevi um texto e gostaria de compartilhar com vocês

Toda minha família é cristã, só conheço uma pessoa que também é ateia. Comecei a criticar tudo isso há, mais ou menos, dois anos. Porém faz pouco tempo que comecei a expressar minha opinião.
Meus pais e minha família em geral não costumam “brigar” comigo pelo meu ponto de vista.
Entretanto, todos meus familiares, quando vão se referir ao meu ateísmo, o comparam com uma fase, e até rebeldia.
Ora, por que o ateísmo de pessoas com menos de 20 pessoas é encarado como uma fase e/ou rebeldia? Será que existe uma idade mínima para começar a desacreditar em culturas?
Por que eu não posso falar que a crença deles não é simplesmente um devaneio insano?
Sou muito contra repreender os credos alheios, acredito que cada um deve acreditar naquilo que o faz feliz. Desde que não venha querer passar isso para mim.
Certo dia ouvi uma palestrante dizer que é o dever moral dos pais encaminhar seus filhos à uma religião. NÃO! Os pais tem o direito de apresentar sua religião ou a falta dela para seus filhos. Desde quando religião tem relação com moral?
Eu sou completamente ateia e não me considero uma pessoa imoral. Do mesmo jeito que jamais rebaixaria qualquer pessoa pela sua religião!
Também gostaria de falar para todos os cristãos que estão lendo isso o seguinte;
Nós ateus, menores de 20 anos, não estamos passando por uma fase, nós não somos rebeldes! Nós, simplesmente não concordamos com a existência de um ser fantástico capaz de fazer absolutamente tudo o que quiser. Do mesmo jeito que não falamos que a sua religião é um devaneio insano não admitimos que falem da nossa escolha.
Nathalia W.

Tudo se compra?

Oi Oi gente!

Então, como muitos já devem ter percebido eu adoro estudar a sociedade. Sobretudo meios de governo. Gosto muito de estudar o Capitalismo! Quero deixar claro que eu gosto de estudá-lo, não disse que é o que eu concordo.

Indo ao que interessa, o Capitalismo é, basicamente, o mundo rodando em volta do mercado. E ele está presente em nossa vida, não adianta falar ao contrário. Vivemos sim nele, e isso afeta sim nosso cotidiano.

Hoje em dia, tudo se compra?

Pense bem.

Eu acredito que nos tempos atuais tudo se compra, bem como tudo se vende. Podemos comprar pessoas, coisas, votos, até a razão.

Entretanto, apesar de todo o meu ceticismo eu acredito que o mundo será um lugar bom para se viver. Eu acredito que um dia, as pessoas vão pensar no conjunto e não nelas. Eu acredito que um dia todas as crianças vão poder acordar tranquilas, sem precisar se preocupar que poderão perder seus pais para as guerras. Eu acredito que todos os pais vão poder acordar felizes por ter comida para dar aos seus filhos.

Mas acima de tudo, eu acredito que um dia eu vou poder acordar e pensar, eu faço parte desta mudança!

Você pode falar que eu sou sonhadora, boba e até infantil. Pois então eu serei tudo isso.

E você, o que pensa sobre o Mundo Capitalista? Comentem!

Beijinhos

Religiões

Oi Oi gente,

Bom, eu acredito que religiões sejam os mamilos da sociedade (se você não entendeu, veja este vídeo http://www.youtube.com/watch?v=RKQoitKcrpo). Quem realmente me conhece sabe que eu sou muito cética com a maioria das coisas. Isso se aplica à religiões. Não tenho nenhuma, não acredito em nenhuma.

Penso que em várias situações a religião é decisiva. Seja pelo bem ou pelo mal.

Na atualidade temos vários acontecimentos em prol de religiões. Por exemplo os constantes ataque a Faixa de Gaza. Acontece o seguinte, os judeus moravam na Palestina (atual Israel, Cisjordânia e Faixa de Gaza), porém eles foram expulsos de lá pelos muçulmanos no ano de 70 D.C. Chamamos esse evento de Diáspora. Porém, na segunda metade do século XIX os judeus iniciaram o Sionismo, eles queriam um lugar para se estabelecerem como Nação. Foram para a Palestina.

Depois de algumas batalhas a ONU dividiu a Palestina em duas partes, uma para os judeus (Israel) e outra para os muçulmanos. Os primeiros queriam expandir suas fronteiras e assim, começaram a atacar a parte dos segundos.

 

Nesse mapa podemos ver o território de Israel (amarelo claro), Palestina ( verde claro). Observe a Faixa de Gaza, ela se localiza num ponto estratégico, por isso Israel quer tanto dominá-la.

Então você se pergunta a relação disso com religiões. Ora, os Judeus foram expulsos da Palestina porque eram Judeus! O início disso tudo foi a religião. Na verdade, o fanatismo.

Por favor, eu não estou dizendo que eu odeio religiosos e que eles merecem morrer na fogueira. Entretanto é necessário tomar cuidado para que você não se torne um etnocentrista.

Apesar de tudo as religiões tem sim lados bons. Quando os E.U.A. se tornaram independentes, a crença que a vontade do Senhor era povoar toda a extensão do território, foi decisiva para o desenvolvimento do país.

Por fim, tenha consciência de que sua religião não é melhor que nenhuma. E que você não é melhor ou pior que ninguém por causa de seu credo.

O que acharam? Comentem!

Balões da vida

Oi Oi Gente

Se você tiver o mínimo de atenção, pode perceber que eu mudei o tema do blog. Eu gostei muito desse, achei bem legal, e eu vou explicar por que.

Ora, nossa vida se assemelha muito a bolões, em vários aspectos. Por exemplo, você pode encher um balão com gás Hélio, para que ele voe muito alto, conheça novos lugares, novas pessoas. Ou você pode deixar o balão como a maioria (e o mais fácil, diga-se de passagem), ou seja, oxigênio. Então ele ficará sempre caído no chão, igual todo mundo, vendo sempre as mesmas pessoas, os mesmos lugares…

Um balão pode nos alegrar, ou nos assustar. Ele pode ser sinônimo de felicidade ou de imensa tristeza. B

Balões podem ser muito diferentes, ou muito iguais. Você pode reunir 300 balões iguais, ou 500 balões diferentes.

Balões podem ser leves  e soltos. Ou podem ser chatos e presos.

Balões podem ir até o além, apesar dos riscos, eles vão! Subindo, subindo, subindo….

E se vocês fossem um balão? Como gostariam de ser? Cheios de hélio, ou de oxigênio? Comentem!

Progresso?

Oi Oi gente!

Quem nunca ouviu a frase “Não se pode parar o progresso” (ou algo do gênero)? Acredito que todos sabem o que é o progresso. Eu não tenho nada contra este, até gosto dele. Acho muitíssimo importante para a sociedade. Mas, em alguns casos é preciso analisar todas as possibilidades para se considerar o “progresso” satisfatório.

Isso aconteceu com a Represa de Assuã, localizada no Egito. Ela foi projetada para abastecer a região quando o Rio Nilo estivesse baixo. O projeto era, realmente, uma maravilha. Mas não é só da teoria que se mantém uma construção. A execução foi um verdadeiro desastre.

Foram necessários 6 anos para que toda a água da represa fosse armazenada ( de 1964 a 1970). Essa demora se deu por dois principais fatores; As perdas anuais por infiltrações subterrâneas foram quase 15 milhões de M³. Além disso as perdas por evaporações foram maiores que se esperava, era esperada uma perda de aproximadamente 15 milhões de M³, agora a perda é 50% maior que o planejado.

Grande parte do  limo, que transforma o solo em húmus ( terra super fértil), ficou alojado no fundo da represa, de forma que a agricultura foi muito prejudicada.

Além de tudo isso tem mais uma coisa que promete “caguentar” com tudo de uma vez. Toda a água que está se perdendo por infiltrações e evaporação é a mesma quantidade que antes desembocava no Mar Mediterrâneo. Ou seja, trocaram seis por meia dúzia.

Fizeram toda uma construção para não mudar NADA! E tudo isso ainda acarretou

num êxodo rural, uma vez que a maioria dos 33 milhões de habitantes que dependiam do limo para sua plantação, não tem dinheiro para comprar as máquinas que tirariam este do fundo do Rio Nilo.

A Represa de Assuã é um ótimo exemplo de que devemos sempre analisar as possibilidades antes de se inicia um “progresso”, pois ele pode se transformar em um retrocesso.

E vocês? Tiveram alguma experiência com um progresso que deu errado? São a favor dele? Comentem!